© 2016 - IBERGRU, S.A.

  • Facebook - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle

BARRAGEM FOZ TUA - PORTUGAL

O aproveitamento hidroeléctrico do Baixo Sabor constitui a obra de maior dimensão actualmente em execução em Portugal. Sito na Torre de Moncorvo, este grande projecto é composto pela construção de duas barragens no curso do Rio Sabor. A Barragem Principal no escalão Montante, de tipo abóbada de dupla curvatura, com uma altura de 123 m e largura de 505 m, distará 9,5 quilómetros do contraembalse no escalão Jusante, estoutra de tipo gravidade, com uma altura de 45 metros e largura de 315 metros, e que inundará o vale em mais de 50 quilómetros, criando a terceira maior albufeira nacional.

 

Num orçamento que ultrapassa os 480 milhões de Euros, a obra da EDP – Energias de Portugal foi adjudicada ao agrupamento complementar de empresas BAIXO SABOR ACE, formado pelas construtoras ODEBRECHT/BENTO PEDROSO e LENA CONSTRUÇÕES. Esta construção emprega aproximadamente 1.675 pessoas, com um volume de escavação de cerca de 3.000.000 m3 e com recurso a um volume de betão total de 1.100.000 m3.

Dada a sua sólida experiência em projectos de grande dimensão e complexidade técnica, a IBERGRU aconselhou a Direcção de Obra na escolha do equipamento mais adequado à execução de cada tipo de tarefa. Tendo fornecido à obra 21 gruas dos fabricantes LINDEN-COMANSA e TEREX-COMEDIL, com capacidades entre as 5 e 48 toneladas, a IBERGRU também planeou, coordenou e executou toda uma logística de montagem nas condições de acessibilidade mais adversas. 

Finalmente, para garantir a execução dos trabalhos nas melhores condições de segurança e eficiência, a IBERGRU instalou ainda um sistema de controlo anti-colisão, atento o elevado número de gruas a trabalhar em interferência.

1/15

As principais tarefas acometidas a estes equipamentos foram os trabalhos de betonagem das barragens de montante e jusante, a construção do edifício administrativo para gestão de ambas as barragens e de duas pontes, uma sobre a EN 216 e outra sobre a EN 102 – uma vez que a actual Ponte da Portela ficará submergida pelas águas –, bem como a movimentação dos materiais e de outros equipamentos utilizados em obra.